Resenha: Belo Casamento, de Jamie McGuire {SPOILER ALERT!}

Título original: A Beautiful Wedding
Autor: Jamie McGuire
Número de páginas: 123
Editora: Verus Editora
Sinopse: A louca e viciante história de amor de Travis e Abby foi narrada por ela em Belo desastre e por ele em Desastre iminente. Como num conto de fadas moderno, sabemos que eles se casaram e foram felizes para sempre… mas quanto realmente conhecemos dessa história?
Por que Abby fez o pedido de casamento? Que confidências eles trocaram antes da cerimônia?Onde passaram a noite de núpcias? Quem sabia que eles iam se casar e guardou segredo?
Todos os detalhes sobre o casamento de Travis e Abby eram secretos… até agora. Os fãs do casal mais quente da literatura terão todas as suas perguntas respondidas nesta história vertiginosa sobre o dia (e a noite…) do casamento de Travis e Abby e o melhor, contada pelo ponto de vista dos dois!

Se você, assim como eu, leu os primeiros dois livros da trilogia e ficou desapontada com quão pouco a autora descreve o casamento de Abby e Travis, anime-se! Ganhamos um livro todinho para nos contar sobre aquela noite!
É um livro bem curtinho (infelizmente), então não dá pra entender direito porque não fizeram apenas um capítulo a mais nos outros livros, mas é legal ter um gostinho a mais dentro da vida do casal protagonista da trilogia Belo Desastre.
O livro narra a noite em que Travis e Abby chegam a badalada Las Vegas para se casarem. Só que, devido a acontecimentos que precederam aquela noite, o que era para ser uma noite feliz, foi também uma noite de preocupações e inseguranças. Mas nada que trocar alianças com o amor da sua vida não resolva, né?
Belo Casamento é contado pelo ponto de vista de ambos Travis e Abby, nos dando novamente aquela visão privilegiada dos dois lados do pedaço mais importante da história de amor deste casal tão fofo – que acontece duas vezes! Mas isso vocês terão que ler para entender…

Anúncios

Resenha: Desastre Iminente, de Jamie McGuire

Título original: Walking Disaster
Autor: Jamie McGuire
Número de páginas: 405
Editora: Verus Editora
Sinopse: Toda história tem dois lados. Em Belo Desastre, Abby disse o que pensava. Agora chegou a hora de conhecer os fatos pelos olhos de Travis.
Travis perdeu a mãe muito cedo, mas, antes de morrer, ela lhe ensinou duas regras de vida: ame muito, lute mais ainda.
Tendo crescido em uma família de homens que gostam de jogos e lutas, Travis Maddox é um cara durão. Musculoso e tatuado, bad boy até o último fio de cabelo, ele leva uma mulher diferente para casa a cada noite. Até conhecer Abby Abernathy…
Determinada a se manter longe de problemas, Abby resiste com todas as forças ao charme de Travis, sem saber que assim só o deixa mais determinado a conquistá-la. Será que o invencível Travis “Cachorro Louco” Maddox vai ser derrotado por uma garota?

Se você já leu Belo Desastre e acha que já sabe tudo sobre a história de Abby e Travis, deixe eu te contar: você está errado. Porque eu também comecei Desastre Iminente desanimada – afinal, são as mesmas coisas apenas por um ponto de vista diferente. Mas não é bem assim.
Então, sim, Desastre Iminente é o período contado em Belo Desastre, mas agora quem conta o que acontece é o Travis Maddox. Apesar do começo sentimental, este livro é contado de um modo mais “bruto”, vamos dizer assim, com mais palavrões, e de um modo mais sexy também.
É neste livro que descobrimos o motivo de algumas ações do nosso protagonista masculino e as coisas que passavam por sua mente, toda a luta que ele trava contra si mesmo. E tudo isso só faz com que fiquemos cada vez mais apaixonada pelo Travis Maddox (que de “Cachorro Louco” não tem nada).
Então, apesar de parecer que é a mesma história por um diferente ponto de vista, é isso que nos faz enxergar o que acontece no enredo com uma visão diferente, mais clara. É totalmente essencial para a trilogia e vale totalmente a pena. Garanto que você não conseguir largar!

Resenha: Belo Desastre de Jamie McGuire

BELO DESASTRE
Título original: Beautiful Disaster
Autor: Jamie McGuire
Número de páginas: 392
Editora: Verus
Sinopse: A nova Abby Abernathy é uma boa garota. Ela não bebe nem fala palavrão, e tem a quantidade apropriada de cardigãs no guarda-roupa. Abby acredita que seu passado sombrio está bem distante, mas, quando se muda para uma nova cidade com America, sua melhor amiga, para cursar a faculdade, seu recomeço é rapidamente ameaçado pelo bad boy da universidade.
Travis Maddox, com seu abdômen definido e seus braços tatuados, é exatamente o que Abby precisa, e deseja evitar.
Ele passa as noites ganhando dinheiro em um clube da luta e os dias seduzindo as garotas da faculdade. Intrigado com a resistência de Abby ao seu charme, Travis a atrai com uma aposta. Se ele perder, terá que ficar sem sexo por um mês. Se ela perder, deverá morar no apartamento de Travis pelo mesmo período. Qualquer que seja o resultado da aposta, Travis nem imagina que finalmente encontrou uma adversária à altura.

Abby Abernathy é, na superfície, uma típica boa garota. Com seus cabelos cor de caramelo, grandes olhos cinza e cardigãs cor de rosa, poderia passar despercebida pela faculdade que escolheu cursar. Isto é, isso se esse seu jeitinho não chamasse a atenção de Travis Maddox, seu oposto e o bad boy mais popular da faculdade.
Travis é musculoso, tatuado, super charmoso e um conquistador assumido. Por isso parece tão estranho quando Abby, quem ele apelida carinhosamente de “Beija-Flor”, parece resistir tão fortemente aos seus encantos. Mal sabe ele dos segredos que essa garota esconde…
Belo Desastre (na verdade, a trilogia toda) foi um desses livros que você pega para ler e não consegue largar nunca mais. Acho que li em uns dois dias, três no máximo, de tão bom e envolvente é a história. Você realmente se apega aos personagens e quer sempre saber o que vem a seguir (ainda mais sendo o romance entre Travis e Abby, o casal mais imprevisível do mundo).
Como já faz um tempinho que li a trilogia, não lembro se tenho observações sobre a diagramação… Mas mesmo se existem probleminhas, tenho certeza que não reparei por estar tão envolvida com o enredo. Ah, e as capas são incríveis, apesar de eu ainda não ter decifrado (pelo menos não corretamente, tenho certeza) a relação delas com a história.
Tenho três palavras para descrever essa minha leitura: esse livro é intrigante, romântico e incrivelmente sexy (sem ser vulgar – há, não aguentei. Mas é verdade). Se você, minha amiga, foi atraída por essa descrição, vai se apaixonar por Belo Desastre – e pelo lindo-maravilhoso-tudo-de-bom Travis Maddox.

Sobre Cinquenta Tons e romance

Hoje, depois de muita espera pelos fãs, saiu o primeiro trailer oficial de Cinquenta Tons de Cinza, a adaptação do primeiro livro da trilogia escrita por E.L. James que será lançada em fevereiro de 2015.
Depois de toda a agitação por causa do trailer, comecei a ver muito mimimi, (de novo) em relação aos livros e agora também ao filme – que ainda nem foi lançado. E resolvi que precisava “quebrar meu silêncio” e fazer um post sobre isso, já que eu não ia aguentar ficar quieta.
É só que é alarmante o tamanho do preconceito em relação à trilogia por serem livros direcionados às mulheres e conter muitas cenas de sexo e falar sobre sadomasoquismo. Porque, claro, apenas homens podem gostar disso. 
Mas o que me impressiona ainda mais é como todos focam nesses aspectos, no sexo e como todos ficam abismados ao ver que é daquilo que as mulheres parecem gostar, um cara que está incrivelmente longe da realidade.
O que houve, a namorada pediu para refazer alguma cena do livro e você não deu conta?
Vamos parar de pensar como seres de mente pequena, machistas e que só-pensam-naquilo. 
Isso é ficção! Ninguém nunca disse que existe um Christian Grey andando por aí! A maior parte do público da trilogia são mulheres experientes e vividas, sabem muito bem como a coisa é, muito obrigada. 
Isso não impede ninguém de querer ler sobre alguém que é devoto a você e tem a sua satisfação em primeiro lugar (porque quem realmente quis entender a história e passou do primeiro livro vai saber disso).
Eu, por exemplo. Adorei a trilogia. Claro que, mesmo sendo fã, eu reconheço as influências claras de Crepúsculo (que se não estivessem lá, eu estranharia, já que foi com uma fanfic de Crepúsculo que Cinquenta Tons foi originado), a rídicula “deusa interior” da protagonista e uma enrolação básica em algumas partes. Mas o que eu gostei foi do romance crescente e evolução dos protagonista, individual e como casal.
Tanto é que, ao me perguntarem do livro enquanto eu ainda lia o primeiro, eu disse que era “bonitinho”.
Eu duvido que alguém que escolheu não prestar atenção na situação inteira e focar no óbvio descreveria Cinquenta Tons de Cinza como “bonitinho”.
Como a própria Dakota Johnson, intérprete da protagonista Anastasia Steele, disse uma vez em alguma entrevista sobre o filme e os livros, toda mulher quer ser aquela que “quebra” um homem. Que consegue fazer com que ele, fechado e com a alma tão torturada, se abra para você e apenas para você. 
O ponto é que história geral da trilogia é um romance onde, claro, o sexo faz parte – mesmo que não de um modo convencional, no caso, que gera aquele velho preconceito do que é diferente. O sadomasoquismo é apenas mais um “empecilho” para o casal, um diferencial na trama que talvez incentive, sim, mulheres a se soltarem mais. 
Portanto, o que eu acho que atrai as mulheres à esses livros não é tanto o sexo ou a ilusão do cara perfeito. Mas o querer viver um romance que te dá a chance de amar e ser amada de volta, que não precisa nem ser épico como um conto de fadas.

Ah, aqui está um texto que cobre basicamente o que eu queria dizer aqui (vai que eu não consegui fazer o meu ponto e você ainda precisa de um pouco mais…). Nem tudo são rosas, mas você pode se surpreender se der uma chance e ler a trilogia, eu garanto.

Wishlist de maio!

Oi gente! O ano está passando voando, não é? Já estamos em maio, credo! Bom, pelo menos isso significa que é hora de mais uma wishlist, uhul!

maywishlist

 

1. Em chamas – Suzanne CollinsHá pouco tempo atrás, eu li o primeiro livro da trilogia Jogos Vorazes. E eu amei! Estou viciada e louca para descobrir se o segundo livro é tão bom quando o primeiro e se a adaptação faz justiça ao livro tanto quanto o primeiro fez. Quem mais aí é Tributo?

2. A esperança – Suzanne CollinsBom, se eu estou louca por Jogos Vorazes, acho que é meio óbvio que esse livro estaria na minha listinha também, né? Espero que eu consiga ler antes de a primeira parte do filme sair nos cinemas – pelos menos um livro da trilogia eu quero ler antes de assistir ao filme!

3. Cidade dos Anjos Caídos – Cassandra ClareNessa wishlist aqui eu disse para vocês que eu queria o terceiro livro da saga Os Instrumentos Mortais, certo? E eu consegui! Estou lendo no momento e logo vai sair resenha para vocês, ok? E é claro que eu já estou louca pela continuação. Aliás, quem aí vai na Bienal final do ano conhecer a linda da Cassandra Clare, autora da saga, que vai vir para o Brasil? Me leva! Hahaha.

4. Cidade das Almas Perdidas – Cassandra ClareSim, eu sou gananciosa e quero o quinto livro da saga antes mesmo de terminar o terceiro. É que essa saga é tão boa e o último livro está dando tanto o que falar (antes mesmo de ser lançado) que eu não consigo me conter de ansiedade!

5. Divergente – Veronica RothE já que o negócio hoje é trilogia/saga, nada melhor do que mais uma para fechar o bonde (sim, eu escrevi isso hahahaha). Assim que eu terminar de ler as que já estão em andamento, Divergente é a minha primeira opção. Já que todo mundo está falando tão bem, quero ver o que é todo esse barulho! Queria ler antes de assistir o filme (que, aliás, está nos cinemas!), mas eu acho que não vou aguentar… Quem se habilita a me dar de presente antes de eu correr para os cinemas? Hahaha.

Resenha: Jogos Vorazes

 

Título original: The Hunger Games
Autora
: Suzanne Collins
Editora: Rocco
Páginas: 397
Sinopse: Após o fim da América do Norte, uma nova nação chamada Panem surge. Formada por doze distritos, é comandada com mão de ferro pela Capital. Uma das formas com que demonstram seu poder sobre o resto do carente país é com Jogos Vorazes, uma competição anual transmitida ao vivo pela televisão, em que um garoto e uma garota de doze a dezoito anos de cada distrito são selecionados e obrigados a lutar até a morte! Para evitar que sua irmã seja a mais nova vítima do programa, Katniss se oferece para participar em seu lugar. Vinda do empobrecido distrito 12, ela sabe como sobreviver em um ambiente hostil. Peeta, um garoto que ajudou sua família no passado, também foi selecionado. Caso vença, terá fama e fortuna. Se perder, morre. Mas para ganhar a competição, será preciso muito mais do que habilidade. Até onde Katniss estará disposta a ir para ser vitoriosa nos Jogos Vorazes?

Resenha: E depois de dois filmes já, eu finalmente li o livro! E agora eu acho que posso, oficialmente, me apresentar como um Tributo! O livro não me decepcionou em relação ao filme (eu sei, normalmente é ao contrário, mas…) e eu estou mais viciada do que nunca.

A história do primeiro livro da trilogia se passa em Panem, localizada na América do Norte pós desastre apocalíptico, que é governada pela Capital e divida em 12 distritos (existia o 13º, mas sua população se rebelou, então ele foi destruído), e é narrada por Katniss Everdeen, que vive no 12º distrito. É época do 74º Jogos Vorazes,  um evento que acontece para lembrar os distritos a não se rebelarem e do poder que a Capital possui.
Os Jogos funcionam da seguinte maneira: há o Dia da Colheita, em que, por sorteio, é escolhido um garoto e uma garota de cada distrito, entre 12 a 18 anos. Esses garotos escolhidos são os chamados Tributos. Eles irão ser enviados à Capital para serem entrevistados e exibidos ao público (os Jogos são como um reality show para a população da Capital, um meio de entretenimento) e, claro, treinar. Treinar porque os Tributos são forçados a entrar em uma arena controlada pela Capital e lutar até a morte entre si, até que reste apenas um sobrevivente – o vencedor.
Na Colheita da 74ª edição dos Jogos, a garota sorteada foi Primrose Everdeen, irmã de Katniss. Esta, não aguentando ver a irmã ser condenada a morte, se voluntaria para ir em seu lugar.
O garoto sorteado foi Peeta Mellark, filho do padeiro, que uma vez tinha jogado um pão para Katniss e salvado a ela e a sua mãe e irmã de morrer de inanição.
Peeta, durante a sua entrevista, diz ser apaixonado por Katniss, pegando-a de surpresa. A afirmação faz com que os dois ganhem o título de “amantes desafortunados”, conquistando a simpatia da população da Capital. O título também faz com que, no meio dos Jogos, a regra mude: se forem do mesmo distrito, dois Tributos poderão ser os vencedores. Mas é claro que nada poderia ser assim tão fácil…
Como eu já havia assistido o filme antes, não pude deixar de comparar a leitura com a adaptação. E fiquei impressionada com a similaridade entre os dois. Jogos Vorazes foi uma das melhores adaptações literárias que eu já vi, se não a melhor. Poucos detalhes e eventos foram deixados de fora (o que mais me marcou foi a existência dos Avox, considerados traidores, são pessoas que tem a língua cortada e forçados a servirem o povo na Capital).
A leitura é viciante e o ponto de vista de Katniss é impressionante e identificável – afinal, apesar das situações extremas, ela é apenas uma garota adolescente. Mal posso esperar para ler a continuação!

Resenha: Cinquenta tons de liberdade +18

Título: Cinquenta tons de liberdade
Título Original: Fifty Shades Freed
Autora: E.L. James
Editora: Intrínseca
Nº de Páginas: 543
Sinopse: Quando a ingênua Anastasia Steele conheceu o jovem empresário Christian Grey, teve início um sensual caso de amor que mudou a vida dos dois irrevogavelmente. Chocada, intrigada e, por fim, repelida pelas estranhas exigências sexuais de Christian, Ana exige um comprometimento mais profundo. Determinado a não perdê-la, ele concorda. Agora, Ana e Christian têm tudo: amor, paixão, intimidade, riqueza e um mundo de possibilidades a sua frente. Mas Ana sabe que o relacionamento não será fácil, e a vida a dois reserva desafios que nenhum deles seria capaz de imaginar. Ana precisa se ajustar ao mundo de opulência de Grey sem sacrificar sua identidade. E ele precisa aprender a dominar seu impulso controlador e se livrar do que o atormentava no passado. Quando parece que a força dessa união vai vencer qualquer obstáculo, a malícia, o infortúnio e o destino conspiram para transformar os piores medos de Ana em realidade.

IMPORTANTE: SE VOCÊ AINDA NÃO LEU CINQUENTA TONS DE CINZA E CINQUENTA TONS MAIS ESCUROS, CONTEM SPOILERS!

E finalmente, o ultimo livro da trilogia Cinquenta Tons. O livro começa com Ana e Christian já em lua de mel, com flashbacks da semana do casamento, sempre do ponto de vista de Ana.
A vida de casados vai sendo contada no decorrer do livro, sem nada de muito diferente da relação dos dois do livro anterior – apenas que agora Srta. Steele virou Sra. Grey.
O negocio é que em Cinquenta Tons de Liberdade, Christian tem um perseguidor, alguém que esta tentando acabar com a sua vida (e que na verdade começou suas façanhas no livro anterior), ameaçando também a segurança de Ana e de sua família e que ninguém sabe quem é (que eu também descobri quem era no livro anterior, alias). Isso deixa o Sr. Grey levemente mais controlador do que ele já era, diga-se de passagem.
Como sempre, é interessante ver a evolução de Christian, ver ele crescer com a ajuda de Ana e suas reações a cada situação, vendo-o se abrir com ela.
Mas o legal mesmo deste livro são os capítulos do ponto de vista de Christian, que são poucos, mas ainda são bons. Podemos vê-lo narrar passagens de quando ele era apenas uma criança e ainda aquele primeiro capitulo de Cinquenta Tons de Cinza, de quando ele conhece Anastasia!
Sobre o final: apesar de eu ter achado bonitinho, não é surpreendente. Se você é fã de romances como eu, aposto que só de eu ter falado isso você já consegue imaginar o final. O que, claro, não deixa de ser fofo.
Lembram da Deusa Interior de Ana? Ela quase não da as caras nesse livro, mas em compensação o Inconsciente dela chega com tudo.
A unica coisa que achei que deixou a desejar foram algumas passagens de tempo no final de livro, que acontecem sem aviso nenhum e me deixaram um pouco confusa. Lendo mais um pouco você entende o que aconteceu, mas não deixa de ser confuso.
Apesar dos “defeitinhos” que achei, eu ainda adoro a historia e fiquei triste por ter acabado (quem mais fica assim ao terminar uma trilogia/saga?). A solução agora é esperar pelo filme! Vem, 2015!